António Aragão é

A virgem

um avião em teus seios desocupados
um guindaste em tua boca alerta

um passo de arco-íris corre
teu pulso dá-me teu bilhete
oh como voo te gosto de viajar!
um motor faz entre tuas coxas
hossana! é sangue o côncavo do teu lugar


ç
Use as setas para folhear as páginas è